Segredos para Criar um Orçamento

5 Segredos para Criar um Orçamento

Eu sei, eu sei… Seguir um orçamento parece chato.

Mas, é um passo muito necessário para conseguir controlar a sua situação financeira. Se não tem ideia do que está a gastar todos os meses, nunca sabe se terá dinheiro para pagar a próxima fatura que irá surgir. E quem é que consegue viver assim stressado?

Se nunca fez um orçamento ou se já tem feito alguns, mas pensa que ainda pode melhorar, reuni cinco segredos que irão ajudá-lo no seu orçamento.

1. Acompanhe todas as suas despesas

A única maneira de criar um orçamento efetivo é se acompanhar as suas despesas, pelo menos, uma vez por mês, seja com ajuda de alguma aplicação ou com o simples papel e caneta. Precisa ter uma boa noção de quais são os seus hábitos de gastos e poupanças, de modo que, quando criar um orçamento já possa pegar no que normalmente faz e fazer algumas mudanças.

Depois de um mês a acompanhar o seu orçamento, pode descobrir, por exemplo, que está a gastar 30€ por mês em cafés, portanto, é claro que pode e deve reduzir esses gastos. No entanto, se tentar esconder essas despesas do seu orçamento está a contribuir para que ele venha a fracassar. Em vez de fazer isso, associe 15€ do seu orçamento para cafés, assim está a poupar sem se privar totalmente do seu café. Mas, se conseguir passar sem ele melhor!

2. Faça com que as suas poupanças sejam automáticas

Está a ter dificuldades em conseguir poupar de forma consistente? Junte-se ao clube (grande clube).

A maneira mais fácil de começar a poupar dinheiro para o futuro é automatizando as suas poupanças. Dessa forma, não precisa de mexer no dinheiro e, se não vê, não vai sentir falta.

Não tem a certeza de quanto deveria poupar? Um bom objetivo é sempre os 20% do seu rendimento que pode utilizar para colocar na sua conta poupança, para investir ou amortizar em créditos que possa ter. Não se sinta muito preso a essa percentagem. O importante é que comece a poupar.

3. Diferencie os seus desejos das suas necessidades

Depois de colocar os 20% do seu rendimento de parte, ainda leva para casa os restantes 80%. O que vai fazer agora com o restante?

Não gaste mais de 50% nas consideradas despesas essenciais, e não gaste mais que 30% nas despesas discriminatórias. As despesas essenciais devem incluir quatro categorias principais: habitação, transporte, alimentação e água, luz e gás. Se está a gastar mais que os 50% nessa categoria, analise as suas despesas e procure por formas de poupar.

O próximo passo é sobre os 30% das despesas discriminatórias, basicamente aquilo que compra mas que não precisa.

Este tipo de despesas deve conter as despesas como o entretenimento, idas a restaurantes e telemóveis. Essas despesas são consideradas a parte má do seu orçamento, que podem ser facilmente reduzidas. Até pode querer o novo smartphone que saiu, mas precisa realmente dele? E o seu orçamento pode ajudá-lo a determinar quantos desses desejos pode realmente pagar.

4. Descubra qual o método de pagamento

Para realmente maximizar o seu dinheiro, crie um plano com qual o método de pagamento que deve utilizar para cada tipo de compra. 

Por exemplo, se sabe que um cartão específico, ao seu utilizado numa compra de combustível, lhe pode dar um desconto na sua próxima ida ao supermercado, deve utilizar esse cartão sempre que vai abastecer o seu automóvel. Ou, se tem um cartão que lhe dá cashback sempre que vai a uma cadeia de restaurantes, utilize esse cartão quando vai jantar fora. 

Descobrir a melhor forma de utilizar os seus cartões levará algum tempo e organização, mas, depois de começar, conseguirá fazer mais com o seu orçamento. Tenha especial atenção com o cartão de crédito. Se utilizar o seu cartão de crédito para conseguir algum desconto, nunca se esqueça de o pagar a tempo e horas e opte sempre pelo pagamento de 100% do crédito utilizado para evitar juros.

5. Enfrente as suas dívidas

Ao fazer o seu orçamento, também precisa de fazer o levantamento de todas as suas dívidas e de criar um plano para pagar o mais rapidamente possível aquelas que têm o juro mais alto. Uma boa opção pode ser a utilização do crédito consolidado que juntará várias dívidas, conseguindo mais tempo para o seu pagamento e juros mais baixos.

Se tem várias dívidas, isso não quer dizer que está acabado. Mas, quer sim dizer, que precisa de aplicar algumas mudanças essenciais no seu orçamento. Coloque 30% do seu rendimento para pagar dívidas e 20% para as despesas discriminatórias.

Criar um orçamento é totalmente acessível, só precisa de um pouco de disciplina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.